últimas notícias

O novo Savoy Palace em imagens

O Savoy Palace está em construção no Funchal, onde antes estava o Savoy, o clássico. As obras decorrem a bom ritmo para que os prazos sejam cumpridos e para que, no final do verão do próximo ano, a cidade do Funchal e o destino Madeira tenham mais um hotel.
No entanto, hoje, a esta distância, pese embora a unidade de cinco estrelas pertencente ao Grupo Savoy Hotels & Resorts ainda esteja em betão, todo cinzento e com algumas árvores, com “soft opening” previsto para o inverno de 2018, já pode ser visto com cor, virtualmente, entenda-se. Na verdade, a página online dos hotéis do grupo já tem um conjunto de imagens que permite ver muito mais para além do que o edifício evidencia presentemente.


As imagens


Por isso mesmo, se tiver curiosidade, pode clicar aqui e ver as imagens que permitem adivinhar o que será o hotel por dentro e por fora.
O Savoy Palace tem um investimento previsto na ordem dos 50 milhões de euros.
A partir do momento em que abrir as portas para receber os primeiros clientes a cidade do Funchal, e o destino no seu todo, passarão a ter mais cerca de 500 quartos, aproximadamente 1.000 camas. Serão novas camas, porque surgem de um novo empreendimento que, nesta nova etapa do Savoy, começou a ser erguido a quatro de janeiro de 2016.
A 1.ª fase decorreu ainda com os anteriores proprietários, que demoliram o hotel existente e chegaram a começar a nova obra que ficou praticamente pelos alicerces. Mas, em concreto, a maior parte dos quartos/camas acabará por ser a recolocação nos trilhos de uma “carruagem” do comboio da oferta hoteleira madeirense porque onde está a ser construído o novo 5 estrelas existia anteriormente o histórico Savoy, igualmente com 5 estrelas, e o hotel Santa Isabel, há muito desativado, que também pertencia ao Grupo Savoy.
No fundo, da mesma forma que irão chegar no princípio do inverno de 2018 as novas camas com o Savoy Palace, no fim da primeira quinzena de maio de 2009, quando o Classic Savoy hotel fechou as portas definitivamente, o destino Madeira deixou de ter 337 quartos e 674 camas (325 quartos standard e 12 suítes).
O antigo Savoy chegou a ter mais quartos (fala-se em 356 quartos) que terão sido desativados para criar novos espaços mais amplos. Mas, na fase final, era o número que referimos: 337 quartos e 674 camas.
Em relação ao Santa Isabel, tinha 69 quartos e 138 camas.
Se somarmos os últimos números das duas unidades na altura dos seus encerramentos tínhamos uma oferta de 406 quartos e 812 camas.
Números que, evidentemente aumentam se formos buscar os tais 356 quartos (712 camas) mais os 69 quartos (138 camas) do Santa Isabel, fazendo um total de 425 quartos e 850 camas. E, nessa altura, quando os quartos e as camas hoteleiras desapareceram da oferta madeirense alguém terá beneficiado desses hóspedes.


O Grupo


A nível dos postos de trabalho, assim que estejam concluídas as obras, vão laborar inicialmente no novo 5 estrelas cerca de 200 pessoas, um número
que deverá ser ultrapassado. Numa fase de cruzeiro deverá passar dos 300 postos de trabalho.
A construção para o novo Savoy, ainda com os anteriores donos, mereceu a aprovação por parte da Câmara Municipal do Funchal a 12 de fevereiro de 2009. Era um projeto de licenciamento do contrato de construção do novo hotel que passou pela elaboração para aquela zona do Plano de Urbanização do Infante. Em dezembro de 2015, o município do Funchal prorrogou o prazo do projeto por mais três anos visto que caducava a 16 de dezembro daquele ano.
O Grupo Savoy Hotels & Resorts mantém há cerca de 17 anos a unidade de 4 estrelas na Calheta (a oeste da Madeira): o Savoy Calheta Beach (anteriormente Calheta Beach), com cerca de 150 quartos.
Em 2009, o grupo decidiu avançar com a construção de uma nova unidade no mesmo concelho e não muito longe do primeiro. Surgiu então em 2015 o Saccharum (hoje Savoy Saccharum), de 5 estrelas.
Com esse passo, o grupo entendeu que havia chegado a hora de consolidar a sua atividade no setor da hotelaria.
Adquiriu em 2015 a empresa Siet Savoy, com dois hotéis em atividade, o Royal Savoy, de 5 estrelas, e o Savoy Gardens, de 4 estrelas. Nesta compra ficou com um outro ativo, o projeto imobiliário para a construção de uma nova unidade hoteleira a erguer no espaço do emblemático Savoy que já tinha sido deitado completamente abaixo.

Presentemente, o Grupo Savoy, sem contar com a nova unidade, tem cerca de 700 quartos, aos quais se irão adicionar mais 500 no verão/inverno do próximo ano. Serão cerca de 1.200 quartos que se irão traduzir em 2.400 camas.

Sem comentários