últimas notícias

16,5 milhões para o Turismo

Conceição Estudante realçou que a área do Turismo terá 16,5 milhões de euros e a dos transportes 18,5 milhões de euros, sendo que estas verbas correspondem a aumentos de 6 e 7% respectivamente face ao orçamento de 2009.
Destacou ainda que a área da Promoção irá receber uma verba de 8 milhões de euros e a da Animação também igual valor.

No que se refere à Animação, adiantou que 5 milhões de euros são dedicados aos mercados externos, 3 milhões ao mercado interno e outros 3 milhões a projectos estruturantes.
A secretária regional do Turismo e Transportes destacou ainda que a Associação de Promoção da Madeira vai buscar verbas para promoção no exterior ao Turismo de Portugal e aos privados, acentuando que “o Turismo de Portugal não aumentou qualquer percentagem na sua verba contratualizada”.
Conceição Estudante destacou que na área dos transportes mantêm-se as indemnizações compensatórias que “vão permitir manter a política social de apoio aos transportes colectivos de passageiros”, anunciando que esta será “complementada a partir do próximo ano com uma fixação do tecto máximo para os diferentes títulos de transportes”.
Anunciou ainda aumentos de capital nas empresas Horários do Funchal e na Administração dos Portos da RAM.
Em relação à área do Turismo, a secretária regional destacou que a Madeira está até Setembro com indicadores “que denunciam um decréscimo ao nível dos hóspedes, das dormidas e das receitas”, destacando todavia que “há capacidade de recuperação” e que em Outubro deste ano a taxa de ocupação na Madeira era “a melhor do país, com 51,4%, quando a média nacional era de 37% e a estada média era de 5,3 dias por pessoa e a média nacional de 2,7”.
Conceição Estudante destacou os resultados da aposta no mercado interno, que compensaram a descida da procura dos mercados externos. Assim, referiu que o mercado interno cresceu 16% desde Setembro até Janeiro.
Salientou ainda os resultados positivos da liberalização das ligações aéreas entre a Madeira e o Continente que, disse, permitiu “um abaixamento dos preços médios praticados por todas as companhias de cerca de 35%”.

Sem comentários