últimas notícias

Sata aguarda bons resultados

A companhia aérea açoriana SATA considera que este ano a evolução do tráfego será marcada “por forte incerteza”, mas prevê “resultado operacional marginalmente positivo, todavia, extremamente dependente da evolução dos índices de tráfego e da evolução do preço do combustível e do câmbio euro-dólar”.

“A evolução do tráfego será, pois, a principal condicionante da performance económico-financeira do Grupo SATA em 2009 (tal como plasmado em sede de definição de orçamento 2009)”, refere o grupo no comunicado da apresentação dos resultados.
Este ano, o Grupo SATA vai introduzir alterações na malha aérea “com cancelamentos cirúrgicos de rotas e frequências deficitárias, bem como o lançamento de novas rotas e o reforço de frequências para mercados mais dinâmicos”, reforçar, a partir do segundo trimestres, as parcerias de code-share com companhias “de referência mundial”, e continuar a “inovar em matéria tarifária, em particular, através da gestão pró-activa de tarifas DISCOUNT”.
O grupo vai continuar a apostar em serviços ligados ao transporte aéreo, com vista a gerar receitas complementares, e ainda durante este ano, a empresa prevê implementar “um projecto de Revenue Management, a partir da plataforma informática PROS v 6.0, o que permitirá optimizar a receita”.
Em 2008, o Grupo SATA, composto pelas empresas SATA SGPS, SATA Air Açores, SATA Internacional, SATA Express, Azores Express e SATA Gestão de Aeródromos, perdas de 2,987 milhões de euros, enquanto os proveitos totais ascenderam a 252,682 milhões de euros.


Combustível culpado

“Os resultados operacionais do Grupo SATA foram afectados, sobremaneira, pelo aumento dos custos de combustível verificados em ambas transportadoras, em particular, na SATA Internacional”, refere o grupo em comunicado.
Os custos operacionais da SATA Internacional relacionados com o combustível, aumentaram, face a 2007, cerca de 18 milhões de euros.
No últimos trimestre de 2008, o Grupo SATA, transportou 1,5 milhões de passageiros, menos 17 mil que em 2007, com um load-factor de 73% na SATA Internacional e de 63% na SATA Açores, indicadores semelhantes aos verificados em 2007.
“O valor dos subsídios recebidos pela SATA Internacional nas rotas da Rede Regular Doméstica (Lisboa – Ponta Delgada, Porto – Ponta Delgada, Funchal – Ponta Delgada, Lisboa – Santa Maria, Lisboa – Terceira, Porto – Terceira e Lisboa – Horta), em função dos passageiros residentes e estudantes dos Açores transportados, foi de 6.821 milhões de euros, o que representa 3,3% do total da facturação da SATA Internacional ou 11 euros por lugar dos mais de 600.000 lugares oferecidos nestas rotas, em 2008”.

Sem comentários