728x90_Home_Active Campaign ]]> - - - -

últimas notícias

Parabéns, Porto do Funchal!

«Em 1756, foi estabelecida a exploração do porto do Funchal por Carta Régia emanada por José I de Portugal, na qual se dava "luz verde" ao início das obras para construção de um porto de abrigo. O primeiro cais de embarque do Funchal surgiu, assim, até ao ilhéu do Forte de São José, obra finalizada em 1762.
Só em 1890 o ilhéu do Forte de Nossa Senhora da Conceição foi ligado à primeira fase, aumentando, desta forma, a área de acostagem. Curiosamente, esta foi uma obra parcialmente destruída por temporais imediatamente a seguir à sua finalização o que obrigou a novas intervenções de reconstrução.
Em 1913 foi criada a Junta Autónoma da Obras do Porto do Funchal, porque o cais até ao Forte de Nossa Senhora da Conceição e os acessos viários entre a Pontinha e a Alfândega, tornavam premente a necessidade de criação de um organismo gestor da área portuária.
Em maio de 1933 foi concluída a construção do molhe da cidade e, em 1939 foi aumentado em 317 metros o cais de acostagem do Porto do Funchal. Obras de referência do início do século XX foram, igualmente, os diversos pequenos cais construídos à volta da ilha que facilitaram o abastecimento das populações.
Um tempo depois em 1955, foi concluída a construção de um cais próximo aos cais do Carvão: o Cais Regional, onde passaram a atracar os serviços de carga e passageiros dos "carreireiros" do Porto Santo. Em 1953 tinha já sido elaborado um projeto de ampliação do Porto do Funchal que consistiria no alargamento do cais em todo o seu comprimento e no seu prolongamento em mais 457 metros. A intervenção conclui-se em 1961. Ficaram nesta data criadas as estruturas fundamentais para o desenvolvimento daquele que é hoje o Porto do Funchal.
Em 2004 foi aprovado o Plano Diretor do Porto do Funchal, pelo qual se define o seu futuro como um porto exclusivamente dedicado ao turismo de cruzeiros e atividades náuticas, libertando a cidade do Funchal da movimentação e transporte de carga,»

Fonte: Wikipédia.

Sem comentários