728x90_Home_Active Campaign ]]> - - - -

últimas notícias

Mais uma companhia fica pelo caminho

Já não vai ser possível voltar a ver imagens como estas no Aeroporto da Madeira
(foto Paulo Camacho)
E vai mais uma. A partir de hoje, a companhia de aviação Air Berlin cancela todos os voos, segundo a Autoridade Nacional de Aviação Civil, depois de informada pela autoridade reguladora de aviação alemã. A Madeira apanha por tabela, tal como aconteceu recentemente com Monarch.

por Paulo Camacho

Em concreto, com esta saída de cena da Air Berlin, o Aeroporto da Madeira perde cerca de uma dezena de voos semanais. No entanto, o Newsavia refere que a operação está praticamente assegurada por aviões da Niki, companhia subsidiária da Air Berlin que não foi arrastada na falência. Para hoje, esta companhia tem programados três voos para a Madeira, de Dusseldorf, de Berlim e de Munique. E, realmente, não consta nenhum da Air Berlin. O site de notícias de aviação complementa que a Niki deverá mudar de dono em breve, havendo a possibilidade de voltar para o controlo de Niki Lauda, o antigo campeão de Fórmula 1 que fundou a empresa aérea.

Alternativas

A ANAC refere em comunicado que a Air Berlin cessa as suas operações “no dia 28 de outubro, pelo que todos os voos desta transportadora aérea a partir do dia 28, inclusive, serão cancelados".
Mais adianta a Autoridade Nacional de Aviação Civil que as companhias Lufthansa, Eurowings, Swiss e Austrian Airlines "oferecem condições especiais (tarifa 'rescue fare')" aos passageiros "com voos de regresso na Air Berlin entre os dias 28 de outubro e 15 de novembro de 2017". Complementa que estas condições serão divulgadas no site de cada companhia.
Sabe-se que os passageiros que recorrem aos voos destas companhias serão reembolsados pela Air Berlin em 50% do valor do novo título de transporte, devendo os viajantes pedir o reembolso até 15 de dezembro.
Podemos referir que, segundo a imprensa, as condições especiais oferecidas aplicam-se apenas aos passageiros de voos entre países europeus e não aos de voos internos na Alemanha.
Não obstante, a ANAC evidencia que irá continuar a acompanhar a situação em articulação com a autoridade reguladora alemã e com a Comissão Europeia no sentido de garantir que os direitos dos passageiros serão assegurados.

Lufthansa compra aviões

Recorde-se que a 12 de outubro, a também alemã Lufthansa anunciou que vai adquirir os 81 aviões e assumir os três mil funcionários da Air Berlin, na sequência do pedido de insolvência daquela transportadora, por 1.500 milhões de euros.
A Air Berlin, que não realiza voos de longo curso desde 15 de outubro, declarou-se insolvente em 15 de agosto, depois de ter deixado de receber apoio financeiro da Etihad Airways, seu acionista maioritário, tendo várias companhias aéreas manifestado interesse em comprar a empresa, como a Ryanair, a Lufthansa, a Condor e a TUIfly.
A Lufthansa e a easyJet são as duas transportadoras aéreas escolhidas para comprarem os ativos da insolvente Air Berlin.

Sem comentários