últimas notícias

Douro chega ao Funchal para missão de 3 meses

O navio patrulha Douro a entrar há momentos pela primeira vez no Porto do Funchal
(foto: Paulo Camacho)
O navio de patrulha costeira Douro, acaba de entrar no Porto do Funchal. Assim, a Região Autónoma da Madeira recebe pela primeira vez a mais recente unidade naval da Marinha para uma comissão no dispositivo naval da Marinha na Zona Marítima da Madeira, onde irá permanecer até final de outubro deste ano

Durante a missão o navio vai estar empenhado em diversas tarefas, nomeadamente no âmbito da busca e salvamento no mar, vigilância e patrulha dos espaços de soberania e jurisdição nacional, da fiscalização marítima, apoio à Autoridade Marítima local e apoio ao Instituto das Florestas e Conservação da Natureza, em especial nas ilhas Selvagens.
A Madeira já teve o primeiro navio desta classe, o NRP Tejo, em missão na ilha este ano, depois de ter aportado no dia 29 de dezembro de 2016. Por aqui esteve cerca de três meses.
O navio


O NRP Douro, tem o número de caso P591
(foto: Marinha Portuguesa)
O NRP Douro, o segundo navio da classe “Tejo” modelo “FLYVEFISKEN” ou “STANFLEX 300”, com o número de caso P591,comandado pelo primeiro-tenente Vacas de Carvalho, é o segundo de quatro navios adquiridos à Dinamarca.
O navio chegou a Portugal no dia 28 de abril de 2015 tendo sido aumentado ao efetivo dos navios da Marinha a 12 de maio deste ano. Foi, entretanto, modernizado nos estaleiros da Arsenal do Alfeite, o que vem assim concretizar a substituição progressiva dos atuais navios patrulhas da Classe Cacine, em serviço há mais de 40 anos.
Após a ação de modernização, o Douro ficou apto para operar junto a zonas costeiras em missões de vigilância, patrulha, defesa, controlo e fiscalização dos espaços marítimos sob soberania, jurisdição e responsabilidade nacional, sendo essencialmente vocacionado para funções de segurança e autoridade do Estado no mar.
A Madeira volta a dispor de um navo da Marinha moderno e mais efucaz nas missões
(foto: Marinha Portuguesa)
Esta nova classe de navios guarnece o dispositivo naval padrão da Marinha na Região Autónoma da Madeira, reforça a capacidade de resposta a situações de busca e salvamento marítimo, contribui para o esforço de fiscalização marítima e os navios desta classe estão preparados para apoiar os órgãos de proteção civil regionais em situações de calamidade ou catástrofes naturais, para além da cooperação já habitual com outros departamentos do Estado com competências no mar.

Este navio rende o NRP Zaire que largou, no dia 29 de julho, para a Base Naval de Lisboa.

Sem comentários