últimas notícias

É preciso fomentar as Start up e apoiar a reinvenção no comércio tradicional

(foto: Paulo Camacho)
A presidente da direcção da ACIF - Câmara de Comércio e Indústria da Madeira disse esta sexta-feira na sessão de abertura do Dia do Empresário Madeirense, que decorreu no Centro de Congressos da Madeira, que Portugal, e a Região, “têm de fomentar o surgimento de start up”. Admitiu que algumas serão futuras empresas de referência, e que outras irão desaparecer no curto prazo. Mas vincou a necessidade de apostar em negócios inovadores, com valor acrescentado, incorporadores de tecnologia e inovação.

No entanto, Cristina Pedra Costa disse que, em simultâneo é preciso “apoiar a reinvenção dos modelos de negócios tradicionais. Pela forma como compra, inova, redefine processos, comunica, distribui e vende. Hoje, obrigatoriamente a uma escala global. Estes negócios devem existir. O seu modelo é que tem de ser alterado”.
A presidente da ACIF falou ainda do desemprego. Referiu que a Madeira tem perto de 20 mil desempregados inscritos.
No entanto, referiu que existem empresários na RAM que querem contratar, nomeadamente para a hotelaria que “vive momentos pujantes”. Mas, “quer por inquéritos efetuados pela ACIF como pelas informações que recebemos dos associados dos diversos setores e ainda através de reuniões tidas com entidades públicas, poucos são os desempregados com hipóteses de recrutamento. Muitos não falam línguas. Por exemplo, nem sequer inglês básico, muitos abandonaram a agricultura, foram trabalhar para a construção civil e com o fim do “boom" neste sector, ingressaram no desemprego. É fácil perceber a dificuldade de contratação”.
Não obstante, disse que ACIF “quer aqui deixar uma nota de reconhecimento pelo importante trabalho que o Instituto de Emprego tem feito e em alguns casos com sucesso, para tentar reconverter alguns desempregados. Mas isto não basta”.

Falta de profissões práticas

Cristina Pedra Costa insistiu que faltam profissões práticas; ensino técnico; com uma aposta dual que compatibilize a teoria da escola com a inserção prática nas empresas.
“É urgente resolver a impossibilidade das escolas profissionais privadas usarem a plataforma informática que gere a formação profissional; acabando com os atrasos no recebimento dos fundos que são devidos pela execução dos programas de formação”.
Além disso, referiu ser crucial promover a ponte entre a Universidade, centros de investigação, os laboratórios e as empresas.
Neste âmbito, disse que a ACIF destaca o “enorme esforço e colaboração que sempre existiu da Universidade da Madeira, em estreita e, permanente cooperação com o mundo empresarial”.
Disse ainda ser necessário abrir candidaturas em contínuo, para investimentos empresariais “e não em períodos estanques, cujo o último foi em 2016”.
A dirigente teve oportunidade ainda de referir que os projectos empresariais pressupõem investimento e criação de emprego.
Disse ainda que as pessoas que nasceram após a década de 90 já estão integradas na era dlgltal mas que as gerações anteriores “têm de fazer a difícil migração e atualização para a era atual onde a inovação e a tecnologia fazem toda a diferença”.
Depois dos discursos de abertura foi tempo da ACIF - Câmara de Comércio e Indústria da Madeira proceder às tradicionais homenagens a empresários e empresas.

Caminho certo

Posteriormente falou o presidente do Governo Regional. Miguel Albuquerque disse que a Madeira está no caminho certo. Por isso mesmo evidenciou que o executivo que lidera quer continuar o caminho do crescimento sustentado. Palavras proferidas na sessão de abertura da comemoração do Dia do Empresário Madeirense, assinalado sexta-feira no Funchal, mas que hoje é realmente o seu dia.
Neste caminho acertado, o líder do governo insular realçou que conseguiram, entre outras vertentes, consolidar das finanças públicas, ter a taxa de emprego mais baixa do país, registar bons indicadores no setor no turismo e ainda conseguir estar a captar investimento externo.
Não obstante, Miguel Albuquerque afirmou que o Governo tem tido a preocupação de apostar na diversificação da economia, concretamente no Centro Internacional de Negócios da Madeira, onde afirmou que o Registo Internacional de Navios da Madeira é o terceiro na União Europeia. E não esqueceu as empresas tecnológicas, que voltou a lembrar a existência de duas na Madeira, que afirmou serem hoje das principais da Europa, que absorvem grande mão-de-obra especializada. Por outro lado, afirmou que se prepara para entrar na ilha uma nova empresa tecnológica, pelo que, no contexto global, a Madeira ainda vai precisar de aproximadamente duas centenas de engenheiros informáticos para responder à procura.

Homenageados
(foto: Paulo Camacho)

Em relação aos homenageados Dia do Empresário Madeirense foram os seguintes:
  • António Jardim Fernandes – Grupo Dorisol;
  • José Egídio Monteiro – Hipocloven, CA ( Diáspora);
  • Grupo Cardoso.
No que toca às empresas, foram homenageadas pela sua relação de longevidade com a ACIF-CCIM, as seguintes organizações:
  • Pestana & Pestana;
  • Vinhos Barbeito Madeira;
  • Manuel Hugo Luís da Silva & Filhos – Madeira Sun.
Uma última nota para referir que houve ainda tempo para um debate com o tema “A Evolução dos Modelos de Negócio”. Contou com as intervenções de Rui Manuel Teixeira, administrador executivo do Millennium BCP, de José Manuel Bernardo, presidente da PwC, de Rui Miguel Nabeiro, administrador do Grupo Delta Cafés, de Pedro Abrunhosa, cantor, compositor e empresário e de Bernardo Trindade, presidente da Portugal In.

Sem comentários