últimas notícias

easyJet quer reduzir 8% do CO2 até 2020

A parceria entre a easyJet e a CFM International está a completar 20 anos. Uma parceria construída num compromisso comum de forma a reduzir progressivamente o custo, assim como o impacto de voar. A companhia inglesa refere que os motores inovadores “LEAP-1A” são exemplo disso e vão fornecer os Airbus A320neos da easyJet, a partir do próximo ano. Mais refere que a pegada de carbono dos passageiros da easyJet está entre a mais baixa da indústria, com 81.05 gramas de CO2 por passageiro por quilómetro. Neste domínio diz que houve um decréscimo em mais de 1/4 do valor entre 2001 e 2013 e evidencia que continua a trabalhar numa nova redução, estabelecendo a meta de 8% entre 2013 e 2020.

Neste domínio, o motor LEAP-1A vai desempenhar um papel importante na redução da pegada de carbono oferecendo uma melhoria da eficiência do combustível em 15% e as emissões de CO2 quando comparadas com o motor CFM56. As emissões de NOx também estão presentes no regulamento ICAO CAEP/8. O avião também será mais silencioso e irá cumprir o capítulo 14 do regulamento ICAO.
Os motores são colocados na fábrica da CFM, em Villaroche, França.
Em termos de números, são cerca de 450 fornecedores que disponibilizam peças para os motores LEAP, estimando a CFM que no total possam ser criados cerca de 10.000 empregos na Europa e nos Estados Unidos da América.
Carolyn McCall, easyJet CEO, Philippe Petitcolin, Safran CEO, Olivier Andriès, Snecma CEO, Jean-Paul Ebanga, CFM CEO, e Patrick Gandil, Director General of the French Civil Aviation Authority (DGAC) estiveram presentes na unidade de produção dos motores da Snecma, perto de Paris.

Carolyn McCall
Carolyn McCall, easyJet’s Chief Executive, afirma que com mais de 760 motores entregues ao longo das últimas duas décadas e quase 15 milhões de horas voadas, a easyJet e a CFM têm uma parceria de longa data. “Os nossos passageiros em toda a Europa beneficiam desta parceria, pois tornamos as viagens simples e acessíveis ao mesmo tempo que reduzimos o impacto ambiental das suas viagens, assim como nas comunidades perto dos aeroportos para onde voamos”. Além disso, sublinhou que como uma companhia aérea europeia “é igualmente gratificante ter um parceiro europeu fabricante de motores que apoie o emprego sustentável em França e em toda a Europa”.
Assim, não esconde que todos na easyJet estão ansiosos pela entrega do primeiro motor LEAP em 2017 “para contribuir para o reforço da nossa parceria”.

Jean-Paul Ebanga
Por seu turno, Jean-Paul Ebanga, president and CEO of CFM International, diz ter sido um prazer representar a equipa da CFM e a “celebrar a nossa relação de 20 anos com esta companhia aérea fantástica.
A easyJet ajudou a estabelecer um novo marco nas operações de baixo custo na Europa e tem trabalhado arduamente para conseguir a muito merecida reputação de qualidade.
Estamos orgulhosos por trabalhar de mãos dadas com a equipa para apoiar a sua frota CFM56-5B/A320ceo e ansiosos por introduzir o novo motor LEAP nesta frota no próximo ano”.

240 aviões
A easyJet tem vindo a usar motores CFM desde o primeiro ano, cuja frota tem mais de 240 aeronaves Airbus A319 e A320 equipada com motores CFM56-5B tornando, assim, a easyJet o maior utilizador deste tipo de motores.
Em julho de 2014 a easyJet selecionou a CFM para fornecer 270 motores para impulsionar a sua encomenda de 35 aeronaves A320ceo e 100 aeronaves Airbus nova geração A320neo, tendo os direitos futuros da compra de 100 aeronaves de nova geração.
A easyJet investe em tecnologia de ponta, opera de forma eficiente e ocupa a maioria dos lugares, o que significa que a pegada ecológica dos passageiros é de 22% inferior por passageiro de uma companhia aérea tradicional, usando o mesmo avião na mesma rota.
A easyJet revelou recentemente os seus planos para revolucionar o sistema de combustível de emissões de hidrogénio zero para as suas aeronaves que poderia poupar cerca de 50.000 toneladas de combustível (aproximadamente 4% do consumo de combustível anual da easyJet) e as emissões de CO2 associadas por ano.

Sem comentários