últimas notícias

Dormidas cresceram 5,8% em 2015 e proveitos totais 9,5%

As primeiras estimativas para o mês de dezembro de 2015 apontam para acréscimos nos principais indicadores da hotelaria, com variações homólogas de +9,1% nas dormidas, +11,6% nos proveitos totais e +13,6% nos proveitos de aposento. A nível nacional, pela mesma ordem, os crescimentos observados nestas variáveis foram de 9,8%, 14,6% e 16,1%.


Nos mercados tradicionais, assinala-se o incremento das dormidas de turistas britânicos e alemães (variações de +26,7% e +0,4% face a dezembro de 2014, respetivamente), enquanto o mercado francês registou uma redução de 0,5%. O mercado nacional apresentou um aumento de 22,7%.

Analisando o ano de 2015, conclui-se que as dormidas cresceram 5,8% na R. A. M‘adeira, enquanto os proveitos totais registaram um incremento de 9,5% e os de aposento de 12,0%, comparativamente ao ano precedente. As dormidas superaram os 6,6 milhões enquanto os proveitos totais e de aposento ascenderam aos 321,2 e 204,3 milhões de euros, respetivamente – um novo máximo histórico nestas variáveis.

Os indicadores preliminares colocam o Reino Unido como principal mercado em 2015, seguido da Alemanha (ambos geraram cerca de 1,6 milhões de dormidas). Os mercados britânico e germânico cresceram 13,3% e 8,6%, respetivamente. Por sua vez, os turistas residentes em França  produziram cerca de 674 mil dormidas na Região, um incremento de 0,1% face ao ano anterior. O mercado nacional, manteve-se como o quarto mais importante, e  registou um decréscimo de 4,3% em 2015, tendo o número de dormidas rondado as 642 mil.

A taxa de ocupação-cama no mês em referência fixou-se em 45,9%, o valor mais alto nas 7 regiões NUTS II do país. A taxa de ocupação-cama anual rondou os 64,6%, +3,7 p.p que em 2014.

A estada média nos estabelecimentos hoteleiros da RAM manteve-se nas 5,5 noites em 2015.

Em dezembro de 2015, há ainda a salientar o crescimento homólogo do rendimento médio por quarto (RevPAR) em 14,7%, para 32,32€. A média anual foi de 41,23€ (+12,4% face a 2014).

Sem comentários