últimas notícias

Siram quer Forte uma referência da cidade

O Forte da Pontinha em trabalhos
(foto: Paulo Camacho)
O espaço multimédia e um restaurante com oferta marcante, aliado ao espaço de bar e esplanada, e outras ofertas, são as notas a evidenciar no investimento que a Siram Turismo se propõe fazer no Forte da Pontinha, que pretende ser um farol da cidade do Funchal.

O Grupo Siram Turismo está empenhado em dar vida ao Forte do Funchal, situado no porto. Depois de várias funções, antes de passar a ser explorado por privados como espaço de lazer e restauração, aquele espaço no Ilhéu de Nossa Senhora da Conceição, irá abrir no princípio do próximo ano com outra filosofia e traçado arquitectónico estudado de raiz por reputados especialistas na recuperação de património classificado, Carlos Guimarães e Luís Soares Carneiro, que pretendem a recuperação e valorização do património existente.

Além de mexidas no restaurante, no topo, para o qual será implantado um elevador desde o pátio, toda aquela área, com vista para o mar e para os lados, vai conhecer novas construções, reversíveis, surgindo com uma clara distinção entre a intervenção contemporânea e a pré-existência.

Serão criados bares, esplanadas, interiores e exteriores e, inovador, surgirá um espaço multimédia, no qual podem ser feitas exposições, realizar concertos de música clássica ou de jazz, e muitas outras actividades.
Segundo confidenciou um dos autores do trabalho, o Professor Carlos Guimarães, a construção deste espaço assenta em duas componentes importantes: não deixar sair o som e permitir uma acústica perfeita.

Na base da intervenção a fazer, que custará cerca de 1,5 milhões de euros, o grupo Siram Turismo quer criar uma imagem que integra o interesse de cidade com o do empreendimento. Daí a aposta no conceito de farol da cidade.

Em relação ao restaurante, soubemos que está a ser estudado o cenceito que norteará a sua oferta. A intenção do grupo não será abri-lo por abrir, mas antes fazê-lo quando estiver certo que tem uma oferta de referência, não só pelo espaço e conforto que pretende proporcionar como pelo serviço que pretende ser marcante e sustentável do investimento.
Uma nota mais para dar conta que a cisterna que existe no pátio será recuperada assim como o paiol daquela antiga unidade militar, que permitirá visitas.

Sem comentários